quinta-feira, 21 de abril de 2011

Stellium em Áries, pressa e a Páscoa

Vivemos dias de um poderoso stellium  em Áries gerando tamanha pressa pelas coisas, como se o mundo fosse acabar amanhã, que mal nos damos conta de que o tempo é nosso amigo, desde que olhemos para dentro ao invés de tentar "imitar" a correria dos que fogem de si mesmos empurrados pela mídia e o desconforto de parecer menor que o outro



Hoje mesmo fiquei  pensando, meditando, enquanto esperava na fila do supermercado, um corre corre louco e desenfreado se fingia do desejo de comemorar a Páscoa... mas...que Páscoa?  O que ela representa?  Ovos de páscoa e bacalhau?!
Jesus Cristo, nosso Senhor, Ressuscitou ...
e continua conosco, como para nos dizer em Verdade e Vida:

"Onde estiver o teu tesouro aí estará o vosso coração", conforme no belíssimo Sermão do Monte.

Comemoremos sim, com mesa farta, por que não? Trocar ovos de páscoa sim... 
Todavia, não nos esqueçamos da mensagem de Vida do Sublime Peregrino que desceu até nós para nos lembrar de que a Vida é mais do que o corpo, o alimento e as vestes.

O espírito destes dias é de pressa e desejo de chegar a algum lugar.... mas onde???

Para nos auxiliar na busca da Sobriedade e nos determos na Calma e Mansidão, Saturno retrógrado está em Libra se opondo a este stelliumcomo se nos convidasse a busca de um Equilíbrio distante...

Meditemos a respeito...

Paz & Bem.
Haroldo Mendonça

quarta-feira, 16 de março de 2011

Ano Novo Astrológico, Urano e Super Lua

"As pessoas têm medo das mudanças. Eu tenho medo que as coisas nunca mudem."
Chico Buarque

Declaração assim tão genial só tendo a autoria de um iluminado, como Chico Buarque.

Este é o espírito destes tempos: vamos nos mexer, é preciso;  sair do lugar..do lugar comum, mudar...!
Dia 20 de Março, às 20h20min (de Brasília), o Sol  atravessa o Ponto Vernal (Áries) e inaugura um Novo Ano Astrológico: é o Equinócio. Para nós do Sul início de Outono e para os irmãos do Norte início da Primavera.

Com o ingresso do Sol em Áries inicia-se um novo ciclo em que o Astro Rei atravessará os  "12 portais", são os 12 signos, em que a Vibração Maior  virá até nós numa miríade de possibilidades. Cada um dançará conforme a música, ou melhor, conforme o mapa natal viverá a ressonância ou não com os propósitos do Céu.
Tem ainda o grande encontro do Sol com Urano em Áries, que se torna tão importante pelo fato de Urano voltar a Áries 84 anos depois. E neste encontro um grande simbolismo, como se representasse a marca da amplitude do poder transformador destes novo tempos.
E para fixar mais , teremos uma Lua Cheia, ou melhor, Super Lua no dia 19, sábado. A Lua aparecerá mais exuberante, mais cheia do que o normal no próximo sábado,  porque estará mais próxima da Terra. A última vez foi em 1992. É o Perigeu Lunar.



São eventos que juntos formam como que um sinal no céu de que devemos nos preparar para novos dias: Equinócio, Super Lua, Urano retornando a Áries...   Será o acaso? "Deus não joga dados", disse o grande Einstein. 
Estará em jogo nossa capacidade de nos adaptarmos às mudanças em nossas vidas.

E eu termino aqui, deixando vocês  com um trecho de "O Trem das Sete", de  outro gênio da música - Raul Seixas... Pois o Trem das Sete já vai passar... de novo...

Ói, olhe o céu, já não é o mesmo céu que você conheceu, não é mais
Vê, ói que céu, é um céu carregado e rajado, suspenso no ar


terça-feira, 8 de março de 2011

O MAPA da mina

Saudações nestes dias de tom Pisciano...

Analisar um mapa astral é buscar entender o mapa da mina. Que dizer, procurar as pistas (astros-aspectos-casas astrológicas, etc) que nos levarão ao encontro do ouro ou a pedra preciosa que todos temos escondido dentro de nós.
O Ouro das Virtudes da Alma que precisa ser descoberto; a Pedra Preciosa que brilha no escuro de nosso Inconsciente e que nos fará ascender a novos patamares evolutivos.
Com o mapa astral bem interpretado, analisado como tem de ser, sem firulas, engôdos e fórmulas prontas e mágicas (bem ao estilo "nova era tudo é festa"), a pessoa tomando consciência do que precisa trabalhar em si, aparar e desenvolver, fará uso desta poderosa "ferramenta" que é a Astrologia para o despertar das potencialidades que traz e carrega como talentos que herdou como Filho deste Universo.

A Astrologia até pode não ser considerada ciência (conforme o conceito de ciência hoje) pelos que se dizem sábios, homens de letra e catedráticos de plantão... Ora bolas, pouco importa! Porque o que vale é a ponte que se constrói de fácil uso para quem quer atravessar o rio caudaloso dos medos, inseguranças e temores, quando se conhece o potencial que todos temos, o tremendo repertório de musicalidade latente que nos conduzirá ao sublime concerto universal.


A Astrologia é assim, Ciência Divina ... E no meu entender paira sobre todas as críticas, ficando acima das pesquisas de meia hora.
Voltando ao mapa astral, ou carta celeste, muito se tem ainda a buscar entendimento, pois a carta celeste é, sem dúvida, enorme manancial de informações sobre quem somos e o que poderemos vir a SER.
Como disse, é o mapa da mina, que nos conduzirá - se assim desejarmos - ao Tesouro de nós mesmos, enfeixado entre as camadas de nossa psiquê ainda mal compreendida.
Somos o que somos... Imortais, ...mas caídos na matéria, onde de tempos em tempos (reencarnando), buscamos nos libertar de Maya (ilusão) ao encontro da Suprema Ventura que é Ser Divino.

Paz Profunda,
Haroldo Mendonça

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

A ORIGEM dos MISTÉRIOS

Prof. Henrique José de Souza - Fundador da Sociedade Brasileira de Eubiose

Perde-se, na noite dos tempos, a existência da Doutrina Esotérica. Conheciam-na todos os grandes povos da antiguidade, tanto na Ásia como na África, Europa, América e Oceania, segundo demonstra a universalidade de seus símbolos, gravados em caracteres indeléveis, nos respectivos templos. E quem houver penetrado nas profundezas dessa Ciência, lerá sempre as mesmas verdades, tanto nos muros de Palenque, como nos de Luxor; nos pagodes lavrados na entranha das rochas, na Índia, como nos restos ciclópicos de toda a região mediterrânea, e nos colossos da existência de raças e continentes submersos.
Os brâmanes da Índia, do mesmo modo que os Ioguis do mesmo País; os hierofantes do Egito, os profetas de Israel, os essênios cabalistas, os gnósticos, os cristãos, como ainda, todos os filósofos e pensadores, possuíram Doutrinas Esotéricas, ou melhor, a mesma Sabedoria Infinita das Idades.
O Livro dos Mortos do antigo Egito contém a Doutrina Esotérica do Egito; a Filosofia Yoga, o Esoterismo da Índia; a Cabala, a dos hebreus. E assim por diante.
Pela tradição, tem Ela vindo até os nossos dias, embora com certas lacunas e erros, devido a falsas interpretações, pois, como já dizia o mesmo Jesus, "é por baixo da letra que mata, que deve ser descoberto o Espírito que vivifica".

Os ensinamentos da Doutrina Arcaica, por sua vez, dizia Blavatsky, tem uma origem divina, que se perde na noite dos tempos. E "origem divina" não quer dizer uma revelação feita por um Deus antropomorfo, em cima de uma montanha, cercado de raios e trovões, mas segundo o compreendemos, uma linguagem e sistema de ciência comunicado à Humanidade primitiva, por outra tão adiantada, que parecia divina aos olhos daquela.
Diz-se que, no começo, não havia necessidade de Mistérios Iniciáticos. O conhecimento (Vidya) era propriedade de todos, e predominou universalmente durante a Idade de Ouro ou Satya-Yuga. Segundo o comentário, "os homens não haviam ainda praticado o mal, naqueles dias de felicidade e pureza, por serem justamente de natureza mais divina do que terrena. Porém, ao se multiplicarem rapidamente, múltiplas foram também as idiossincrasias do corpo e da mente. E o espírito encarnado manifestou-se em debilidade. Nas mentes menos cultivadas e sãs, enraizaram-se certos exageros contrários à natureza e conseqüentes superstições. Dos desejos e paixões, até então desconhecidos, nasceu o egoísmo, pelo qual abusaram os homens de seu poder e sabedoria, até que, finalmente, foi preciso limitar o número dos conhecedores". Assim, teve lugar a Iniciação e seus Mistérios.
Cada povo adotou um sistema religioso de acordo com a sua capacidade intelectual e
necessidades espirituais. Porém, como os sábios prescindissem do culto e das simples formas, restringiram a bem poucos o verdadeiro conhecimento ("Muitos serão chamados e poucos os escolhidos"...). A necessidade de encobrir a Verdade (donde o termo "Ísis velada"), para resguardá-la de possíveis profanações, fez-se sentir, cada vez mais em cada geração, e assim se converteu em Mistério.
Foi Ele, então, adotado entre todos os povos e países, procurando-se, ao mesmo tempo, evitar discussão a respeito, permitindo, entretanto, que nas massas profanas (os "impúbere-psíquicos") fossem introduzidas crenças religiosas esotéricas inofensivas, adaptadas, no começo, às inteligências vulgares - como "róseos contos infantis" - sem receio de que a fé popular prejudicasse as filosóficas e transcendentais verdades, ensinadas nos Santuários Iniciáticos, mesmo porque não devem cair no domínio público ("Margaritas ante porcus" ou "Não atireis pérolas aos porcos") as observações lógicas e científicas dos fenômenos naturais (tidos como milagres pelos ignorantes), conduzem o homem ao conhecimento das Eternas Verdades, destinadas a aproximá-lo dos umbrais da observação, livre de prejuízos, mais capaz, por isso mesmo, de melhor distinguir as coisas, não com os olhos físicos, mas sim, com os espirituais.
O grande místico hindu Sri Aurobindo teve ocasião de dizer em seu maravilhoso livro APERÇU ET PENSÉES, o seguinte:
"Cada religião ajudou a Humanidade. O paganismo aumentou no homem a luz da beleza, a largura e a altura da vida, a tendência para uma perfeição multiforme. O Cristianismo deu-lhe uma visão de Caridade e Amor Divinos. O Budismo mostrou-lhe um nobre meio de ser mais SÁBIO, mais doce, mais puro. O Judaísmo e o Islamismo, como ser religiosamente fiel em ação, e zeloso na sua devoção por Deus. O Hinduísmo abriu-lhe as mais vastas e as mais profundas possibilidades espirituais. Seria uma grande coisa se todas essas visões de Deus pudessem se abraçar (a Frente Única Espiritualista, pela qual vem batalhando a SOCIEDADE BRASILEIRA de EUBIOSE desde o seu início) e se fundir uma na outra; porém, o dogma intelectual e o egoísmo cultural barram o caminho. Sim, todas as religiões salvaram um grande número de almas, mas nenhuma foi ainda capaz de espiritualizar a Humanidade. Para isso, não é o culto e a crença o necessário, englobando tudo que seja de desenvolvimento espiritual próprio".

Blavatsky, por sua vez, corroborou as nossas palavras: "O Teósofo não crê em milagres divinos nem diabólicos, nem bruxos, nem profetas, nem augúrios, mas, tão somente em Adeptos (Iniciados) capazes de realizar fatos de caráter fenomênico a quem julgar "por palavras ou atos" (isto é, aos que se fizerem dignos de tamanha honra...).
E é a razão porque, para os não iniciados nos referidos Mistérios, tais fenômenos não são mais do que "extravagâncias e fantasias". Mas, em verdade, "fatos estranhos" para os que com eles jamais se preocuparam. Não se deve, pois, negar, seja o que for, sem conhecimento de causa... Ou melhor, sem investigação própria.
São, ainda, de Blavatsky, as seguintes palavras:

"O estudante de Ocultismo (ou Teosofia) não deve professar religião alguma, embora deva respeitar qualquer opinião ou crença para chegar a ser um Adepto".
Seu único dogma, como "livre pensador" é o da Fraternidade Universal da Humanidade, sem distinção de crença, sexo, casta, cor, etc. Seu único e Supremo Mestre, o Eu - Interno ou Divino, o Espírito, cuja voz é da Consciência emancipada.
Quanto à Ciência oficial, tudo quanto julga como seu - do mesmo modo que as religiões, filosofias, línguas, seja o que for - já pertenceu à Teosofia (ou Ocultismo). Mas, infelizmente - como foi dito em outros lugares - se acha completamente adulterado. Desse modo, a Teosofia começa onde a Ciência oficial termina.
E é assim que a astronomia de hoje é a Astrologia de outrora; a Química, a Alquimia; a Medicina, a Magia Teúrgica, etc., etc.
Em resumo: se no grego tal Sabedoria tem o nome de TEOSOFIA, no sânscrito possui ela outros muitos; chama-se Sanatama-Dhârma, Gupta-Vidya, Brahmâ-Vidya, respectivamente Sabedoria da Lei, Ciência Secreta, Sabedoria Divina, ou ainda, Iluminação, Conhecimento, etc. O mesmo termo Gnose não quer dizer outra coisa senão Iluminação, Conhecimento Perfeito, donde, Gnósticos, Iluminados, Sábios, etc.
Teósofos ou Néo-platônicos, ecléticos ou harmonistas, eram chamados os filósofos alexandrinos que, com Amônio Sacas, quiseram deduzir da Gnose, o estudo comparado das religiões, normas científicas de conduta.
O mesmo Amônio Sacas não conseguiu religião alguma concreta, e seus sucessores, embora de campos opostos, como Porfírio (o mosaísmo), Jâmblico (a Teurgia egípcia), Proclo (o ocidentalismo), Plotino (Gnose cristã), etc., foram chamados "filaléteos" ou "amantes da Verdade" sem véu religioso.
"Ecléticos ou sincretistas" por seu espírito de crítica; "harmonistas", por buscarem a Suprema Síntese filosófica; "analogistas", por aplicarem a chave hermética de que "o que está em baixo é como o que está em cima"; e Teósofos, enfim, por buscarem para o homem vulgar, a Suprema Ciência da SUPERAÇÃO, que há de fazer dele um rebelde, um Titã, um Prometeu, um Herói, um super-homem, enfim, como diria o vulgo, mas em verdade, um Iluminado.
Os termos Buda e Cristo não pertencem a nenhum indivíduo, mas representam categorias a que podem chegar os homens, porquanto, Buda provém do Bodi sânscrito que quer dizer Sábio, Iluminado, etc. Do mesmo modo que Bod tibetano, com o mesmíssimo significado, como prova ao Tibet se lhe chamar Bod-Yul, ou "País do Conhecimento, da Sabedoria Perfeita", etc. Quanto ao termo Cristo, provém do Krestus grego, que quer dizer: Ungido, Iluminado.
Só o desconhecimento dessa mesma Sabedoria Eterna pode levar os prosélitos das várias religiões existentes, a se digladiarem mútua e estupidamente como se todas elas não fossem "pálidos raios seus". Ou como disse o grande Teósofo espanhol, Mario Roso de Luna, "embaceados espelhos onde a mesma (Sabedoria Eterna) se reflete".
Amônio Sacas foi um grande e eminente filósofo, que viveu em Alexandria, entre o segundo e terceiro séculos de nossa era. Foi o fundador da "Escola Neo-platônica" dos Filaléteos ou "Amantes da Verdade", como foi dito anteriormente. Nasceu de pais cristãos e era pobre. Possuía, entretanto, uma bondade tão grande, que o cognominaram, desde logo, "Theodactus" ou "ensinado (guiado) por Deus", etc. Venerou a tudo quanto de bom existia no Cristianismo, porém, rompeu com o mesmo e com suas Igrejas, ainda jovem, por não ter encontrado, em seu seio, coisa alguma superior às antigas religiões, mas apenas, cópias e adulterações suas. Seus Mestres foram: Pitágoras e Platão.
Ensinou ele que "a religião das multidões correu sempre pari-passu com a filosofia, e que com esta se foi corrompendo gradualmente, por vícios de conceitos, mentiras e superstições, puramente humanos. Era necessário, portanto, restituí-la à sua original pureza, por isso mesmo, expurgando-a da escória e interpretando-a filosóficamente, pois o propósito de Jesus foi restabelecer a sua prístina integridade, a Sabedoria da Antiguidade; reduzir o domínio da superstição que prevalecia no mundo, corrigir os erros introduzidos nas diversas religiões e quanto pudesse servir de obstáculo à rápida evolução do homem, na sua marcha para o divino". Pelo que se vê, era um verdadeiro Teósofo sem deixar por isso, de ser um cristão, budista, etc.
Blavatsky, por sua vez, ensinou "que o Teósofo não deve sujeitar-se às opiniões alheias, formando ele as suas próprias convicções, de acordo com as regras de evidência, que lhe proporciona a ciência a que se dedica, sem atender a encômios de fanáticos sonhadores, nem a dogmatismos teológicos, Jesus pregou uma doutrina secreta e "secreta" (tanto naquele tempo como hoje) quer dizer, "Mistérios da Iniciação".
Voltaire caracterizou, em poucas palavras, os benefícios dos Mistérios, ao dizer que, "entre o caos das superstições populares, existia uma Intuição que evitou sempre a queda do homem na mais degradante animalidade: a dos "MISTÉRIOS".

E justamente por ser "Mistério", é que não pode chegar ao domínio de todos, mas de uma elite (ou de "eleitos", na razão, repetimos, de "muitos serão chamados e poucos os escolhidos") capaz de conduzir a maioria pelo Caminho do Dever, da Honra, do Amor e da Justiça, até que não seja mais necessária a referida seleção, isto é, quando a Humanidade inteira (utopia para os pessimistas de todas as épocas) estiver equilibrada por tão elevados princípios que, a bem dizer, representam os "eubióticos princípios", com que a mesma Humanidade, queira ou não, terá que se regular, sob pena de continuar por muitos séculos ainda, sacudida pelos terríveis vendavais que há tanto tempo servem de obstáculo à sua marcha evolucional para o Divino. E cujos "vendavais" estão muito bem simbolizados nos Quatro Cavaleiros do Apocalipse: DOMÍNIO, GUERRA, FOME E PESTE.

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Curso de Astrologia para Iniciantes






Módulo I:  Faça você mesmo seu mapa astral e interprete-o”
Fundamentos: a teoria

·         O que o mapa astral representa?
·         Signos x Constelações
·         Os Quatro elementos na “formação” do temperamento de cada um
o   Fogo
o   Ar
o   Terra
o   Água
·         O Zodíaco: os 12 Signos e suas características
o   Simbologia e Mitologia
·         Os Astros
·         Esfera Celeste x Esfera Terrestre: O mapa em si
·         As Doze Casas Astrológicas e os Setores de nossas vidas
·         Os Astros nas Casas
·         Aspectos Astrológicos
·         Montando o mapa: uso de softwares
o   Coordenadas Terrestres e Celestes

Interpretando o Mapa: a prática

·         Quem “rege” você? Astro regente
·         Técnicas 
·         Práticas: Analisando mapa de famosos
·         Práticas: Analisando o próprio mapa



Carga Horária: 16hs, sendo duas horas por sábado (totalizando oito aulas)
Horário:  16 as 18hs - sábados
Previsão de início:   19 de Março


Informações e Inscrições:   meiodoceu@gmail.com


sábado, 22 de janeiro de 2011

Júpiter em Áries: ardendo em chamas de Vontade...

Júpiter, hoje, 22 de Janeiro, ingressa em Áries


Não é pouca coisa não gente... é o "Grande Benéfico" - Júpiter - ingressando no signo da ação, da intensidade total, do desejo ardente de começar...de ir em frente.. sempre avante...e ir sempre além do mais...
O Fogo inicitador, tal como as chamas que ardem e queimam o combustível que gera os movimentos, está dentro de todos nós. E pelos "filtros" do signo de Áries Júpiter nos fará arder de vontade...
Mas será preciso aceitar o desafio e correr os riscos dessa nova aventura ao Mundo do desconhecido, onde Júpiter em Áries nos levará a ascender a novos patamares da consciência objetiva, para que possamos desbravar novos caminhos.

Júpiter, o Zeus da Mitologia, espargirá sobre a Terra úmida de nossas Almas (depois de Júpiter ter transitado em Peixes), as sementes de um porvir acessível para quem quiser acreditar em suas próprias possibilidades.
Deixe-se arder ...Gerando Luz, Calor e Movimento..

"A essência da felicidade é não ter medo." Nietzsche.

domingo, 16 de janeiro de 2011

13.Signo? Conversa pra boi (ou Ofiúco) dormir...

A velha controvérsia do 13.Signo...  Conversa pra boi (ou Ofiúco) dormir...
Faz tempo que a Astronomia renegou a própria mãe, a Astrologia. No mundo antigo não existia essa separação.
Mas os homens da ciência que acham que tudo que existe é a matéria que se pode ver e tocar, continuam a declarar a Astrologia como coisa tola, pura superstição. Eles não mais consideram o que a Tradição legou e chamam os preceitos das Antigas Ciências e Doutrinas de fantasias e coisas de pessoas "místicas", pura perda de tempo...

Se estudassem um pouco mais, sem os preconceitos acadêmicos, entenderiam que signos não são as constelações.
É verdade que num passado distante houve a correlação signo-constelação, onde o signo de Áries pôde ser representado pela constelação do mesmo nome, enfim, coincidiu; mas devido ao fenômeno Precessão dos Equinócios isso mudou. Para os astrônomos que não aceitam a astrologia (o mesmo que o corpo sem alma) quem nasce em 18 de Abril não é mais de Áries, mas sim de Peixes (vixe!!!).  Desconsidere, apague, delete!
Mal sabem eles que a Astrologia séria e verdadeira, e toda doutrina que a compõe não lida com as constelações, mas sim com os signos. Então..nada mudou na base da Astrologia desde os antigos. Ptolomeu que o diga...
E o pior é que querem enfiar a idéia de que um décimo terceiro signo existe e deve por isso ser considerado pela Astrologia... Querem meter o bedelho onde não devem, e não sabem...
Este décimo terceiro "signo", um intruso, seria Ofiúco (O Serpentário). A constelação de Ofiúco existe sim, mas o signo não.
Não vamos negar que o astrônomo está correto quando diz que "Marte na constelação de Sagitário", sim... ele está certo.. Ele disse constelação e não signo. Até aí tudo bem.  Porque os signos não são as constelações, eu repito.
Por isso vamos falar da eclíptica.




A eclíptica é um círculo imaginário no céu dividido em 12 partes iguais de 30 graus cada uma. E aí sim, cada "parte" representa um signo, começando em Áries e terminando em Peixes. Todos os anos quando o Sol atinge o ponto zero (grau zero), inicia-se o "ano", é o Equinócio da Primavera (para o Hemisfério Norte), pois o Sol estará entrando no signo de Áries. Depois o Sol segue para o signo de Touro, Gêmeos, etc.
Mas, por que a confusão? O que se deu é que milênios atrás os signos foram batizados com o nome das constelações que lá estavam no céu, e assim ficou.
Mas, repito: signos são signos, e são imaginários ao longo da eclíptica. São representações.  Constelações são desenhos no céu, imagens que se formaram vistos daqui da Terra e que os homens batizaram de vários nomes; não só com os nomes zodiacais, como Áries, Touro, mas também Perseu, Hércules, Pegasus, etc.
Constelações são dezenas...dezenas...  Signos apenas doze.
Voltando a eclíptica, nesta faixa do céu trafegam o Sol, a Lua, os planetas, ...  E para a Astrologia é o que interessa. Assim montamos os mapas astrológicos, considerando essa tal de eclíptica, e outros itens.
Sendo assim meus caros, não se preocupem com essa história por aí de que seu signo mudou, que antes era Sagitário e agora é Escorpião... Ou que você pode ser de Ofiúco. Isso é uma afronta!
E além disso, signos por si só nada representam da personalidade, ou melhor, representam muito pouco. É preciso muito mais do que isso... é preciso o mapa astral ou carta natal.

Bem... o papo vai muito além disso, pois tem quem considere a precessão dos equinócios e trabalham com o Zodíaco Sideral, diferente do mais tradicional que é o Zodíaco Tropical. Um exemplo disso é a Astrologia Védica, muito utilizada na Índia, que possui todo um cálculo e técnicas diferentes e etc. Mas este é um outro papo e bem complexo.
Então pessoal, se qualquer dia destes no famigerado horóscopo de jornal você encontrar lá o signo de Ofiúco, não se espante, pois é mais uma tragada de um poderoso entorpecente secular chamado: ignorância das leis fundamentais que movem nosso Cosmos...O Macro e o Micro...

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

"Um novo tempo apesar dos castigos..."

O ano promete em muito quanto a aspectos astrológicos de "peso" que poderão mudar nossas vidas. Mas será preciso saber sintonizar  e se "ligar", ou como diríamos....se conectar a novas estruturas de pensamento e ideias. Ou seria para desconectar? Desconectar do que é "velho", das matrizes de tédio e pessimismo. Ou então, "desconstruir-se"...
Vamos a alguns momentos cósmicos de grande importância para 2011 que marcarão novos tempos para nós e a Humanidade. Mas, nada de extremismos e sensacionalismo, por favor...




Júpiter em Áries
Dia 22 de Janeiro Júpiter, o astro por excelência, como tal o poderoso Zeus, deus do Olimpo, entrará em Áries.  Depois de 12 anos Júpiter volta ao "início", isso mesmo... Áries. 
Pensem comigo.... Áries...Início... começo...impulso para ação... Afinal o que o signo de Áries tanto significa mesmo?  O começo...   É o primeiro do Zodíaco, aquele que vem a frente, sem temer o novo. 
Então, é hora de plantar; lançar as sementes para o amanhã. Mas, este amanhã pode ser logo hein... porque Áries tem pressa.
É o RECOMEÇO.  Tenha pressa você também; saia do marasmo de si mesmo. Coloque seu bloco na rua desde já,  muito antes do Carnaval...entende o que eu digo? Faça acontecer os projetos que tem em mente...Não espere mais.


Urano em Áries
O que Urano representa senão a própria Revolução?  Não foi por acaso que ele foi descoberto no limiar da Revolução Francesa (é a sincronicidade).
Agora vejam... Urano volta ao signo de Áries depois de 84 anos! Isso mesmo... Ou seja, um novo ciclo de mudanças se anuncia. Toquem as trombetas!!!  mas..., não as do Apocalipse, por favor...
Pensem em RENOVAÇÃO! Essa é a palavra de ordem para Urano.. revolucionar...renovar abalando as estruturas.
Renovar suas ideias, se dar a chance de revolucionar a própria vida! Eis Urano.
Claro que nada instantâneo, mas vai depender de cada um de nós.. mas o 'clima astral´ irá beneficiar aos arautos, aos que souberem acreditar no poder da mudança que, certamente, está em nós. Então o que Urano irá fazer é dar aquele famoso empurrãozinho.


Interessante ainda destacar que outros astros que mexem com as estruturas e fazem mudar as coisas (ainda que lutemos contra), como Saturno e Plutão, farão coro a Júpiter e Urano, pois estarão todos em signos cardinais, que se relacionam com os "grandes começos".
Inclusive Júpiter fará oposição a Saturno em 2011 efetivando ou ativando o poder de se romper com os paradigmas. Sempre que estes dois astros se opõe algo no céu é comum que algo de importante aconteça em nosso Mundo... podem crer. Funcionam como se fossem dois ponteiros cósmicos no Relógio Divino indicando que é hora de romper com o velho, arcaico e não mais utilizável. Isso para nós e para o Mundo. Claro que para cada um conforme o mapa natal.





Netuno em Peixes
Que maravilha!  Foram necessários 165 anos para que Netuno retornasse ao seu próprio signo. Netuno rege Peixes. Que tem isso a ver conosco e com o Mundo?
Eu acredito que estaremos no limiar de um novo tempo... apesar dos perigos..
Netuno em seu próprio signo - Peixes - deve mudar a maneira como nossa consciência poderá emergir para uma nova Realidade. É difícil explicar, talvez transcendental demais, ou obscuro, mas é isso mesmo; algo que vá de encontro ao mas profundo de nosso Eu para uma mudança de Consciência. Netuno age assim.
Peixes rege o lado espiritual, o lado místico, o amor sublime amor... Essas coisas da Era de Peixes que ao meu ver se transmutarão enquanto atravessamos para essa tão falada Era de Aquário.
Claro que teremos novos desafios e não um momento mágico em que tudo se resolva de estalo, de repente ou coisa assim.... Mas, os "ares da mudança" poderão ser "sentidos" aos que buscarem sinceramente essa conexão com o Todo, o Cósmico, Universal, ou como queiram chamar.
Netuno em Peixes é SONHAR...  acordado é claro, deixando-se levar pela INTUIÇÃO... 
É se lançar ao MAR de possibilidades....sem medo... porque NAVEGAR será preciso..


Enfim, teremos em 2011 eventos cósmicos de grande envergadura que poderão nos fazer: começar, renovar e intuir...(não necessariamente nesta ordem)  para uma nova era que deve dar início, primeiro, dentro de nós mesmos...


E acredite:  "Compreende que és um segundo pequeno mundo e que dentro de ti estão o sol, a lua e as estrelas.” 



Muita Paz, Saúde e Alegrias em 2011!