domingo, 16 de janeiro de 2011

13.Signo? Conversa pra boi (ou Ofiúco) dormir...

A velha controvérsia do 13.Signo...  Conversa pra boi (ou Ofiúco) dormir...
Faz tempo que a Astronomia renegou a própria mãe, a Astrologia. No mundo antigo não existia essa separação.
Mas os homens da ciência que acham que tudo que existe é a matéria que se pode ver e tocar, continuam a declarar a Astrologia como coisa tola, pura superstição. Eles não mais consideram o que a Tradição legou e chamam os preceitos das Antigas Ciências e Doutrinas de fantasias e coisas de pessoas "místicas", pura perda de tempo...

Se estudassem um pouco mais, sem os preconceitos acadêmicos, entenderiam que signos não são as constelações.
É verdade que num passado distante houve a correlação signo-constelação, onde o signo de Áries pôde ser representado pela constelação do mesmo nome, enfim, coincidiu; mas devido ao fenômeno Precessão dos Equinócios isso mudou. Para os astrônomos que não aceitam a astrologia (o mesmo que o corpo sem alma) quem nasce em 18 de Abril não é mais de Áries, mas sim de Peixes (vixe!!!).  Desconsidere, apague, delete!
Mal sabem eles que a Astrologia séria e verdadeira, e toda doutrina que a compõe não lida com as constelações, mas sim com os signos. Então..nada mudou na base da Astrologia desde os antigos. Ptolomeu que o diga...
E o pior é que querem enfiar a idéia de que um décimo terceiro signo existe e deve por isso ser considerado pela Astrologia... Querem meter o bedelho onde não devem, e não sabem...
Este décimo terceiro "signo", um intruso, seria Ofiúco (O Serpentário). A constelação de Ofiúco existe sim, mas o signo não.
Não vamos negar que o astrônomo está correto quando diz que "Marte na constelação de Sagitário", sim... ele está certo.. Ele disse constelação e não signo. Até aí tudo bem.  Porque os signos não são as constelações, eu repito.
Por isso vamos falar da eclíptica.




A eclíptica é um círculo imaginário no céu dividido em 12 partes iguais de 30 graus cada uma. E aí sim, cada "parte" representa um signo, começando em Áries e terminando em Peixes. Todos os anos quando o Sol atinge o ponto zero (grau zero), inicia-se o "ano", é o Equinócio da Primavera (para o Hemisfério Norte), pois o Sol estará entrando no signo de Áries. Depois o Sol segue para o signo de Touro, Gêmeos, etc.
Mas, por que a confusão? O que se deu é que milênios atrás os signos foram batizados com o nome das constelações que lá estavam no céu, e assim ficou.
Mas, repito: signos são signos, e são imaginários ao longo da eclíptica. São representações.  Constelações são desenhos no céu, imagens que se formaram vistos daqui da Terra e que os homens batizaram de vários nomes; não só com os nomes zodiacais, como Áries, Touro, mas também Perseu, Hércules, Pegasus, etc.
Constelações são dezenas...dezenas...  Signos apenas doze.
Voltando a eclíptica, nesta faixa do céu trafegam o Sol, a Lua, os planetas, ...  E para a Astrologia é o que interessa. Assim montamos os mapas astrológicos, considerando essa tal de eclíptica, e outros itens.
Sendo assim meus caros, não se preocupem com essa história por aí de que seu signo mudou, que antes era Sagitário e agora é Escorpião... Ou que você pode ser de Ofiúco. Isso é uma afronta!
E além disso, signos por si só nada representam da personalidade, ou melhor, representam muito pouco. É preciso muito mais do que isso... é preciso o mapa astral ou carta natal.

Bem... o papo vai muito além disso, pois tem quem considere a precessão dos equinócios e trabalham com o Zodíaco Sideral, diferente do mais tradicional que é o Zodíaco Tropical. Um exemplo disso é a Astrologia Védica, muito utilizada na Índia, que possui todo um cálculo e técnicas diferentes e etc. Mas este é um outro papo e bem complexo.
Então pessoal, se qualquer dia destes no famigerado horóscopo de jornal você encontrar lá o signo de Ofiúco, não se espante, pois é mais uma tragada de um poderoso entorpecente secular chamado: ignorância das leis fundamentais que movem nosso Cosmos...O Macro e o Micro...

Um comentário:

Lucas Aureli disse...

Obrigado, Haroldo. Peço licença para divulgar no twetter (já estou rs). Só para acrescentar: Em 1888, a União Astronômica Internacional dividiu o céu em 88 constelações oficiais, com fronteiras precisas. Desta forma, cada direção no céu pertence necessariamente a uma (e apenas uma) delas. Elas foram batizadas, em sua maioria, de acordo com a tradição proveniente da Grécia antiga, e seus nomes oficiais são sempre em latim. Abçs Lucas